Volte ao SPIN

SPIN01 SPIN02 SPIN03 SPIN04 SPIN05 SPIN06 SPIN07
SPIN08 SPIN09 SPIN10 SPIN11 SPIN12 SPIN13 SPIN14
SPIN15 SPIN16 SPIN17 SPIN18 SPIN19 SPIN20 SPIN21
SPIN22 SPIN23 SPIN24 SPIN25 SPIN26 SPIN27 SPIN28
SPIN29 SPIN30 SPIN31 SPIN32 SPIN33 SPIN34 SPIN35
SPIN36 SPIN37 SPIN38 SPIN39 SPIN40 SPIN41 SPIN42
SPIN43 SPIN44 SPIN45 SPIN46 SPIN47 SPIN48 SPIN49
SPIN50 SPIN51 SPIN52 SPIN53 SPIN54 SPIN55 SPIN56
SPIN57 SPIN58 SPIN59 SPIN60 SPIN61 SPIN62 SPIN63

SPIN64 SPIN65 SPIN66 SPIN67 SPIN68 SPIN69 SPIN70
SPIN71 SPIN72 SPIN73 SPIN74

sábado, 27 de novembro de 2010

Do blog do Antônio sobre a morte de Cláudia Wonder, spin transformista, humano



Para @s que não a conhecem tão bem:



Biografia

Nascida Marco Antonio Abrão, Claudia logo cedo descobriu sua transexualidade. Ainda na adolescência, começou a freq�?entar a noite e a se inserir no contexto transgênero, sendo contenporânea dos grandes nomes do travestismo paulistano, como Andréia de Maio, Thelma Lipp, Brenda Lee, entre outras.
Claudia Wonder é paulistana, performer, cantora/compositora, atriz, escritora e ícone do underground e comunidade LGBTT brasileira.

Começou sua carreira artística fazendo shows em boates e logo estreou no teatro e no cinema. Ainda adolescente contracenou com grandes nomes nacionais, entre eles, Tarcísio Meira e Raul Cortez.
Nos anos de 1980 descobriu sua veia musical e estreou como letrista e vocalista da banda de Rock Jardins das Delícias com o show O Vomito do Mito no lendário clube paulistano Madame Satã. Depois formou a banda Truque Sujo e sempre obteve sucesso junto a critica musical e o público. No final da década de 80 mudou-se para a Europa e lá ficou durante onze anos, onde trabalhou em shows e depois como empresária na área da estética. Sim, Claudia Wonder também é formada como cabeleireira e maquiadora.
De volta ao Brasil retomou a carreira artística, participou de duas coletâneas musicais em CD : Melopéia do selo Rotten. Sonetos do poeta Glauco Mattoso musicados por vários artistas, entre eles, Arnaldo Antunes e Itamar Assumpção. Para esse trabalho Claudia musicou o "Soneto Virtual" onde faz dueto com seu amigo, o cantor Edson Cordeiro.
Participou da primeira coletânea de electro nacional no CD Body Rapture, do selo Lua Music com a música Toníca do Haligalle e em setembro de 2007 lançou seu primeiro Cd solo FunkyDiscoFashion também pela Lua Music.
Como ícone da comunidade LGBTT é figura querida e foi homenageada como Abre-Alas da Parada do Orgulho Gay de São Paulo. Também foi madrinha do Festival Mix Brasil de Cinema e Vídeo da Diversidade Sexual.
É coordenadora do Grupo de Estudos da identidade de Gênero Flor do Asfalto. Trabalhou como colunista e reporter da revista G Magazine e do site G online até 2008. Lançou o livro Olhares de Claudia Wonder – Cr�?nicas e Outras Histórias[1] em agosto de 2008 pelas Edições GLS[2] do Grupo Editorial Summus.
Incansável, Claudia também trabalha como monitora de abordagem e comunicação do Centro de Referência da Diversidade no projeto Cidade Inclusiva. Uma parceria do Governo da cidade de São Paulo com a União Européia.
Em Junho de 2009 o filme documentário Meu Amigo Claudia do cineasta Dácio Pinheiro que conta a trajetória da artista, teve sua premierer mundial no Frameline Lesbian and Gay Film Festival of San Francisco- California Falecida dia 25/11/2010.

Vida artística

Filmografia

O Marginal – Carlos Manga
A mulata que queria pecar – Victor Di Mello
Elas transam no Disco – Fernando Néri
Sexo dos Anormais – Alfredo Sterhein
Sexo livre – Alfredo Sterhein
O Mulherengo – Carlos Mansur
A Próxima Vítima – João batista de Andrade e Lauro Cezar Muniz
Carandiru – Hector Babenco
Claudia Wonder International Show – Dácio Pinheiro
145 Disque Amizade – Gero Camilo
Espeto – Gulherme Marback e Sara Silveira
Luz nas Trevas - A volta do Bandido da Luz Vermelha - Helena Ignez
Meu Amigo Claudia - Documentário - Dácio Pinheiro

Teatro

As Gigoletes – direção Wilson Vaz Teatro das Nações – São Paulo e Teatro da LagoaRio de Janeiro.
O que é que a Boneca Tem? - direção Mario Wilson- Teatro das Nações
As Gigolettes II – direção Mario Wilson - Teatro das Nações
Lês Grils 77 - Teatro das Nações
Depois eu Conto – direção Ronaldo Ciambroni Teatro Ruth Escobar
Nossa Senhora das Flores – Jean Genet direção Luiz Armando Queiroz e Maurício Abud Teatro do Bexiga
O Homem e o Cavalo - Osvald de Andrade direção José Celso Martinez Correa Teatro Sérgio Cardoso
Acordes de Brecht – direção José Celso Martinez Correa Teatro Oficina
Erótica – Tudo pelo sensual - direção coletiva Teatro Brasileiro de Comédia
Mostra de Dramaturgia do Pensamento Selvagem - Francisco CarlosTeatro Sesc Anchieta.
Mostra de Dramaturgia do Pensamento Selvagem II - Francisco Carlos - Teatrix

Trabalhos para televisão

Vídeo Magia – Má Consciência – Vera de Sá e Marcelo Osório - TV Cultura
Fábrica do Som – Kid Vinil – Tv Cultura
Programa do Faustão – Tv Globo
Programa Mulheres – Tv Record
Programa Silvo Santos - SBT
Programa do Gugu - SBT
Programa Hebe Camargo - SBT
Direito de Respostas – Rede TV
Super Pop – Adriane Galisteu – rede TV
Super Pop Luciana Gimenes – rede TV
Programa Metrópolis – Tv Cultura
Direções – O cego e o Louco – Débora Dubois - TV Cultura
Vídeo clipe – Trilogia Disco do cantor Edson Cordeiro
Vídeo Clipe – Memórias - da roqueira Pitty
Vídeo Clipe – Eu Mesmo - da banda de Rock Radikalez
Vídeo Clipe – Mina de Família – grupo de Funk Fuler�? o Esquema

Músicas gravadas

Soneto Virtual – Melopéia - Compilação de sonetos de Glauco Mattoso – Selo Rotten
Tonica do Haliegalie – Coletânea de Electro Nacional – Body Rupture - Lua Music
Claudia Wonder & The Lap Top Boys – FunkyDiscoFashion – Lua Music FunkyDiscoFashion, ganhou revelação da nova música brasileira no programa Solano Ribeiro da Radio Cultura 1200)

Como escritora e colunista

  • Revista G Magazine – Coluna Claudia Wonder e coluna HYPE Site G Online – Página WONDERGROUND-TRANS – Claudia Wonder
  • Livro de sua autoria: Olhares de Claudia Wonder: cr�?nicas e outras histórias. Edições GLS, 2008[3]

Curiosidades

  • Em virtude de sua sexualidade, por várias vezes foi detida, sexualmente molestada e enxotada de lugares. Segundo ela mesma revelou em entrevista, chegou a ser comparada aos mais perversos marginais “simplesmente por ser diferente das outras pessoas”. Isso lhe causou grande revolta e ela fez de sua revolta o motor para lutar contra essa barbárie.



FONTE: http://tantasnoticiasx1.blogspot.com/2010/11/11.html

Nenhum comentário: